A 27 de novembro de 2017 a Douro Generation realizou uma missão a Tokaj, na Hungria, para desenvolvimento do relacionamento com a entidade gestora do sítio Património Mundial da Paisagem Cultural Histórica da Região Vinícola de Tokaj.

Esta missão decorreu no âmbito do projeto “Douro em Movimento, Aldeias com Vida”, cofinanciado pelo Norte 2020.

OBJETIVOS

  1. Estabelecer o contacto com a Tokaj Wine Region Development NonprofitLtd.
  2. Conhecer melhor o Bem e trocar conhecimento;
  3. Preparar o estabelecimento de um protocolo de cooperação.

PROGRAMA

Manhã
– Reunião introdutória
– Visita ao sítio Património Mundial “Paisagem Cultural Histórica da Região Vinícola de Tokaj”
Tarde
– Visita ao sítio Património Mundial “Paisagem Cultural Histórica da Região
Vinícola de Tokaj”
– Reunião exploratória

Em Tokaj iniciámos o contacto com a Tokaj Wine Region Development Nonprofit Ltd., entidade responsável pelo desenvolvimento da região vinhateira húngara de Tokaj. A Paisagem Cultural Histórica da Região Vinícola de Tokaj foi classificada como Património Mundial pela UNESCO em 2002. Trata-se de uma região com cerca de 88 mil ha e 27 povoações (entre vilas e aldeias), que constituem uma riquíssima paisagem cultural que importa preservar e valorizar, pois exibe as marcas de uma História de um território habitado e atravessado por várias culturas ao longo dos séculos. Nesta região podem encontrar-se igrejas católicas medievais, igrejas ortodoxas dos séculos XVIII e XIX, sinagogas judaicas (em Tokaj coabitam seis religiões), castelos e mansões aristocráticas. Todavia, a maior marca deste território é a sua milenar ligação à produção de vinho, em especial do “aszu”, e o facto de ser figurar como uma das primeiras regiões demarcadas do mundo (1737).

A Tokaj Wine Region Development Nonprofit Ltd. é a face operacional do Conselho de Desenvolvimento da Região Vinícola de Tokaj, criado em julho de 2014 para iniciar, coordenar, apoiar e implementar estratégias de desenvolvimento regional e projetos que integram os 27 municípios da Região
Vinícola de Tokaj. De entre os membros do Conselho destacam-se o Presidente da Assembleia da Região de Borsod-Abaúj-Zemplén, um representante do Conselho da Região Vinícola de Tokaj, o Presidente do Conselho de Supervisão da Câmara de Comércio de Tokaj e um representante do Ministro da Economia e o Ministro da Governação da Hungria, que atualmente preside ao Conselho.

O papel da Tokaj Wine Region Development Nonprofit Ltd. é estabelecer a ligação entre as autoridades administrativas nacionais e regionais com os atores locais, criando uma comunicação estável e eficiente entre as partes interessadas no desenvolvimento da região. Das suas competências fazem parte:

  • Planear e gerir atividades ligadas ao desenvolvimento económico, social e ambiental da região;
  • Elaborar a Estratégia de Desenvolvimento Regional e o Plano de Ação Regional, em harmonia com o Plano Nacional de Desenvolvimento da Hungria;
  • Contribuir para o desenvolvimento da Estratégia Regional de Turismo e para a promoção de atividades turísticas;
  • Conservar o património cultural e natural de acordo com os valores do Património Mundial da UNESCO;
  • Desenvolver programas para melhorar o desenvolvimento rural e a qualidade de vida dos habitantes da região.

A atividade desta instituição é fundamentalmente suportada por uma subvenção anual do Estado e dos municípios e por candidaturas a fundos europeus, nomeadamente no âmbito do Interreg. Do orçamento disponível a entidade opta por reservar cerca de 10% para a realização de projetos, de modo a ter capacidade para financiar a sua componente nacional. Este orçamento prevê também a gestão de uma equipa de onze elementos, entre os quais um coordenador, gestores de projeto, um gestor do Património Mundial, especialistas em desenvolvimento regional, comunicação, administrativos e financeiros. Os municípios e freguesias desempenham um papel importante, não só pelo fator de financiamento da entidade mas pela colaboração que o desenvolvimento da região de Tokaj lhes exige sob o ponto de vista da experiência e visão para o território. A Tokaj Wine Region Development Nonprofit Ltd. procura apoiar o seu trabalho na mais-valia que estes parceiros podem representar. A estreita cooperação com as entidades de ensino é também uma prioridade, especialmente se considerarmos que em Tokaj existe uma escola de hotelaria que prepara empresários, chefs e outros profissionais das áreas da restauração e hotelaria que terão como missão desenvolver a atividade turística e qualificar
a oferta de serviços da região.

Esta organização está sediada em Tokaj, mas tem também uma delegação em Budapeste, cidade onde iniciámos esta missão, na companhia de Gergely Papp. Este expert em desenvolvimento regional foi quem nos acompanhou durante todo o dia de trabalho e visita a Tokaj. Durante as cerca de duas horas e meia de viagem de comboio de Budapeste até àquela região vinhateira foinos possível proceder ao enquadramento da nossa missão e conhecer a atividade e objetivos da Tokaj Wine Region Development Nonprofit Ltd, que apresentámos anteriormente.

À chegada a Tokaj conhecemos István Devald, coordenador de projeto, e Attila Kovács, o mais recente membro da Tokaj Wine Region Development Nonprofit Ltd. Com eles seguimos por uma visita às vinhas de Tokaj-Hétszőlő, uma reputada propriedade-empresa sob a gestão do enólogo Gergely Makai, que nos recebeu, guiou, explicou as vinhas, o processo de laboração e a vindima. Nesta propriedade, situada numa colina do monte Tokaj voltada para sul, a vinha é ao alto, tendo sido plantada de modo a permitir a mecanização da colheita. Apenas numa parcela recente de terreno existem socalcos que se assemelham aos da região do Douro e que foram construídos de modo a ser possível produzir novos tipos de vinho. Aqui a colheita é manual.

Em Tokaj-Hétszőlő, maior parte da produção é de vinhos brancos pois, tal como na região, a casta dominante é a Furmint, com cerca de 80% da área cultivada. Esta empresa exporta cerca de 80% da produção para 40 países, com destaque para os mercados russo e escandinavo, onde promovem os seus vinhos secos como ótimos para acompanhamento de, por exemplo, pratos de peixe. A valorização nos mercados externos é também realizada pela valorização do processo produtivo 100% orgânico. No mercado interno, Budapeste é, obviamente, o principal mercado, especialmente em hotéis. Esta empresa tem cerca de 20 funcionários permanentes que, na época de vindimas sobe para 150, especialmente para a colheita para produção do vinho “aszu”. Este vinho branco licoroso é produzido a partir de uva-passa “botritizada”, ou seja, contaminada com o fungo botrytis que, nesta região, é apelidado de “podridão nobre”, pelo travo singular e extremamente agradável que confere ao vinho. A colheita destas uvas é feita manualmente e bago a bago. Para além dos funcionários permanentes e sazonais, a Tokaj-Hétszőlő segue uma política de cedência de parcelas de terreno (1ha) a famílias, para que estas sejam responsáveis pelo seu tratamento e rentabilização.

A Tokaj-Hétszőlő investe também no turismo, sendo uma das propriedades por onde passam provas de atletismo , percursos de provas de vinhos e tours paisagísticos. Cerca de 80% dos seus visitantes são polacos, que chegam de comboio a partir de Budapeste. Atualmente detêm um espaço onde recebem cerca de cem pessoas para a realização de eventos de vários tipos, ligados ao vinho e não só, mas estão a realizar um investimento para aumentar a capacidade e organizar eventos turísticos como vindimas participativas. Não têm em perspetiva o investimento em infraestruturas de alojamento.

Dali seguimos para uma visita a uma cave, onde são envelhecidos alguns vinhos em barricas de madeira. Aqui são também guardados “a sete chaves” alguns vinhos raros de coleções particulares e preservados dezenas de exemplares de colheitas específicas, para uma colocação futura no mercado a
preços “vintage”. Neste magnífico local fizemos uma prova de vinhos, que revelou vários brancos de categoria, secos, maduros, sofisticados na variedade de aromas frutados, incluindo um moscatel próximo do nosso Favaios. Provámos também o histórico néctar “Tokaj Aszu”, com mais de 120 g de açúcar por litro. Apesar de este ser o ícone da região, tal como no Douro os produtores têm a necessidade de produzir outros vinhos, nomeadamente de mesa, para rentabilizar o negócio.

Seguiu-se o reconhecimento do território e de outras vinhas da região demarcada. Visitámos duas aldeias e observámos obras-instalações de arte em madeira do projeto Hello Wood, que são não apenas arte mas podem também constituir formas de requalificação de espaços públicos ou de valorização de espaços de observação da paisagem. Este projeto, que colocou dezenas de jovens a trabalhar na região de Tokaj, num programa de residência artística, tem revelado o seu potencial de atratividade turística e de replicação noutros locais. À semelhança deste projeto, também outro foi realizado com estudantes de arquitetura, que desenharam um edifício para pequenos concertos ao ar livre, mas que hoje serve para outros fins, nomeadamente para apoio à produção agrícola.

Tokaj, como já referimos anteriormente, é uma região marcada pela diversidade cultural, resultado da sua localização central na Europa, na passagem para os países a ocidente, mas também por força das suas características morfológicas e produtivas. A aldeia de Mád é disso exemplo. Aqui o desenvolvimento debate-se com a oposição entre três atividades, produção vinícola, produção agrícola de cereais e leguminosas e extração mineira (existe uma grande pedreira). O maior desafio é, no entanto, a desertificação e o envelhecimento populacional, que a Tokaj Wine Region Development Nonprofit Ltd pretende combater através da valorização dos espaços rurais, das suas infraestruturas e, acima de tudo, da sua identidade. Aproximar as pessoas em torno de um objetivo comum de desenvolvimento é o ideal que perseguem para a região. Para isso estão a executar, com o apoio dos municípios e do Governo húngaro, projetos de reconstrução / requalificação de infraestruturas importantes para as várias aldeias ou vilas. Vêm estes investimentos na sequência de outros já realizados na vila de Tokaj, como o centro cultural com auditório para 300 pessoas; o museu/centro interpretativo no qual de forma interativa se pode conhecer os segredos de Tokaj e contactar com outras regiões vinhateiras da Europa, nomeadamente o Douro; e um anfiteatro ao ar livre, onde antigamente existia uma pedreira e que hoje recebe uma programação cultural de maio a setembro, com uma capacidade para 2800 por espetáculo.

Apesar de todos os investimentos infraestruturais, Tokaj tem ainda algumas carências, especialmente no que respeita à capacidade para reter visitantes durante mais de um dia (algo em que se assemelha ao Douro mas com o maior nível de profundidade). A hotelaria ainda não tem uma implementação significativa na região, mas a Tokaj Wine Region Development Nonprofit Ltd. espera que esta conjuntura seja invertida, seja pela diversificação da oferta de atividades, como percursos cicláveis e pedonais e uma programação cultural mais extensa, seja pelo investimento na formação e apoio à abertura de unidades hoteleiras e de restauração. Na área do vinho, a Tokaj Wine Region Development Nonprofit Ltd. tem em vista a construção de uma infraestrutura comunitária onde todos os produtores possam utilizar equipamentos para melhorarem o seu processo produtivo. Em suma, a preocupação do Conselho de Desenvolvimento da Região Vinícola de Tokaj é garantir a continuidade e sustentabilidade do território com base na atração de turistas e na criação de novas oportunidades que fixem novas populações, contrariando o problema da desertificação, o eventual abandono da prática vitivinícola e a falta de mão-de-obra.

CONCLUSÕES
Pela sua história, valor patrimonial, humano e vinícola Tokaj é um parceiro que pode contribuir e colaborar ativamente com a Douro Generation e a Rede de Aldeias Vinhateiras na prossecução de objetivos comuns, através de financiamentos europeus, regionais e nacionais. Neste âmbito, a Tokaj Wine Region Development Nonprofit Ltd. tem já uma experiência, com a participação no projeto EPICAH (Effectiveness of Policy Instruments for CrossBorder Advancement in Heritage), aprovado pelo Programa Interreg Europe, cujo objetivo é melhorar as políticas de cooperação transfronteiriça em matéria de proteção do património natural e cultural e promover a fronteira como um fator de atrativo turístico. Este projeto tem a participação da Autoridade de Gestão do POCTEP (Portugal-Espanha).

O intercâmbio ou a participação e organização conjunta de atividades é também uma possibilidade em aberto. Destacamos o conceito Hello Wood, a realização de residências artísticas e o intercâmbio cultural, com especial atenção para eventos que se realizarão na Hungria, como o Hungarian Year of Cultural Heritage 2018 ou o Cultural & Natural Heritage Creative Think Tank Summer Camp and Hub. Da nossa missão resultou a enorme vontade de trabalhar conjuntamente na partilha de conhecimento, experiências e modelos de desenvolvimento, que incluem:

  • gestão do território;
  • conhecimento cientifico;
  • turismo;
  • cultura e lazer;
  • promoção.

Será este o caminho quea percorrer em conjunto.

Pela Douro Generation
LAURENT FILIPE Membro da Equipa Técnica da Douro Generation
TIAGO MENDES Membro da Equipa Técnica da Douro Generation

Pela Tokaj Wine Region Development Nonprofit Ltd.
István Dévald
Attila Kovács
Gergely Papp