A 02 de junho de 2017 a Douro Generation e a Rede de Aldeias Vinhateiras do Douro proporcionaram a realização do concerto “Paralelismos Musicais nas Cortes de Luís XIV a D. Maria I”, no Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, Tarouca, no âmbito da iniciativa “World Generation Week“.

Este concerto foi cofinanciado pelo Norte 2020 no âmbito do projeto “Douro em Movimento, Aldeias com Vida”.

Paralelismos Musicais nas Cortes de Luís XIV a D. Maria I

Este programa de concerto propõe-se explorar os paralelismos entre as produções musicais em Portugal e França durante todo o séc. XVIII, desde as emblemáticas cortes de D. João V e Luís XIV, até aos limites do Ancien Régime com Luís XVI e nossa D. Maria I.

Com um grupo de instrumentos barrocos e duas renomadas artistas portuguesas especializadas na interpretação historicamente informada – a soprano solista Sandra Medeiros e a bailarina Catarina Costa e Silva – o concerto traz-nos uma breve mas densa amostra dos riquíssimos repertórios de dança, árias de óperas e música instrumental de compositores actuantes em Lisboa, Paris ou Versalhes, assim como amostras das vertentes estéticas italianizantes que permearam toda a Europa nesse largo período.

Organizámos o programa de modo a que ficasse instigante, pois para além de contar-nos várias histórias e trazer-nos à imaginação as vidas musicais nestas cortes tão singulares, também pudesse funcionar como um agradável sarau palaciano daquela época, com livres alternâncias e contrastes entre as obras a serem dançadas ou cantadas.

Americantiga Ensemble

Cravo e direcção musical: Ricardo Bernardes
Violino I: Tera Shimizu (spalla)
Violino II: Álvaro Pinto
Viola: Pedro Braga Falcão
Violoncelo: Luís André Ferreira
Contrabaixo: Marta Vicente
Oboé: Luís Marques
Trompete Barroco: Ana Pazos e Elena Torres
Soprano solista: Sandra Medeiros
Bailarina: Catarina Costa e Silva

 

FRANÇA – LUÍS XIV
Marc Antoine Charpentier (1643-1704)
Prelude do Te Deum

Jean Baptiste Lully (1632-1682)
Les Folies d’Espagne (1672)
Chaccone da ópera Phaethon (1683)
Marche pour la cérémonie des Turcs da ópera Le bourgeois gentilhomme (1670)

PORTUGAL – D. JOÃO V
António Teixeira
(1707-1759?)
Introdução da Serenata a 3 vozes

Riccardo Broschi (c. 1698-1756)
Ária “Son qual nave” da ópera Idaspe (1736)

Carlos Seixas (1704-1742)
Sinfonia em Si bemol maior

FRANÇA – LUÍS XV
Antonio Vivaldi
(1678-1741)
Concerto para oboé e cordas em ré menor RV454

Jean-Phillipe Rameau (1683-1764)
Ária “Tristes aprettes” da ópera Castor et Pollux (1737)
Dance des Salvages e Minuettes I e II da ópera Les Indes Galantes (1735)

PORTUGAL – D. JOSÉ I
João de Sousa Carvalho
(1745-1798)
Ária “Per me freme irato il vento” da ópera L’amore industrioso (1769)

Pedro António Avondano (1714-1782)
Sinfonia em fá maior – Allegro

FRANÇA – LUÍS XVI
Niccòllo Piccinni
(1728-1800)
Ópera La cecchina ossia la buona figliuola (1760) – Ária “Una povvera ragazza”

Pedro António Avondano (1714-1782)
Sinfonia em fá maior – Andante e Allegro

Christoph Willibal Gluck (1714-1787)
Ópera Orphèe (1774) – Ária “Fortune enèmie”

PORTUGAL – D. MARIA I
António Leal Moreira
(1758-1819)
Abertura de A saloia namorada (1793)
Ária Albina Saloia “Não há neste mundo”