A 26 de novembro de 2016 a Douro Generation e a Rede de Aldeias Vinhateiras do Douro proporcionaram a realização do seminário “Cultura, Gastronomia e Desenvolvimento Regional”, na Casa de Mateus, no âmbito do Seminário Internacional “A Globalização e a Gastronomia – Um Caso de Estudo na Valorização Económica da Identidade do Território“, organizado pelo Instituto Internacional Casa de Mateus.

Esta iniciativa foi cofinanciada pelo Norte 2020 no âmbito do projeto “Douro em Movimento, Aldeias com Vida”.

Programa

Introdução ao painel: Jorge Portugal

– Ragnar Siil, Soluções Criativas para Regiões Atrativas e Competitivas

– Jannie Vestergaard, Gastronomia, um recurso cultural e criativo para o Desenvolvimento Regional

– Joaquim Oliveira Martins, Estratégias para estimular a produtividade nas zonas de baixa densidade, OCDE

17:00 Tea-break –Ervas Finas

17:30 – Criatividade e Empreendedorismo em zonas de baixa densidade. Ragnar Siil, Guilherme Vitorino, Nuno Magalhães, Duarte Calvão, Nuno Augusto e Teresa Albuquerque

  1. A cultura conta e a criatividade baseada na cultura – a economia da experiência, é uma fonte de valor acrescentado: 1€ investido num evento cultural irá render 4€;
  2. A criatividade está relacionada com competências e talento; é necessária maior ênfase ao design (e ao design thinking) nos sistemas educativos;
  3. Uma rede de inovação no sector alimentar, assenta na diversidade – pessoas, biodiversidade, cultural;
  4. É necessário considerar o ecossistema alimentar como um todo;
  5. A rede no sector alimentar facilita a colaboração e a inovação, o que traz identidade e orgulho (pessoas com paixão pelo fazem), visibilidade, acesso (a ingredientes locais), qualidade, cooperação, interdependência;
  6. O desenvolvimento regional é importante porque contribui para a performance nacional; as políticas podem contribuir para aumentar a performance regional;
  7. A desigualdade entre países está a diminuir enquanto que a desigualdade entre regiões, dentro de um mesmo país, está a aumentar;
  8. É necessário resolver o puzzle da produtividade dado que se verifica uma lenta difusão dos efeitos/factores de inovação das regiões líderes para as que se deixam ficar para trás;
  9. A maior produtividade vem das regiões, no entanto, há zonas rurais que também têm boas performances; cada região requer soluções adaptadas (a distribuição da produtividade é “scale free”);
  10. Países como Portugal precisam de investir no desenvolvimento regional para aumentar a produtividade nacional;
  11. A linhas de orientação das políticas devem integrar as especificidades de cada região rural (interior, proximidade, remota);
  12. Combinar ativos com inovação;
  13. A descentralização das políticas é essencial para aumentar a produtividade.

O Seminário Internacional “Globalização e Território” decorreu entre os dias 25 e 27 de Novembro de 2016, em Mateus com a coordenação de Miguel Poiares Maduro.

O projeto pretendeu analisar a relação entre a globalização e o domínio da gastronomia no contexto do desenvolvimento regional, identificando desafios e fatores de sucesso. Em primeiro lugar, pretendeu-se apurar, através do caso de estudo da gastronomia, de que forma a identidade regional pode ser um instrumento competitivo poderoso no contexto global. Em segundo lugar, pretendeu-se identificar e valorizar o papel que as universidades e o mundo científico podem ter nessa criação de valor acrescentado associando conhecimento à identidade regional e seus recursos endógenos. Em terceiro lugar, o seminário procurou colocar em rede os diferentes agentes relevantes para a promoção de um ecossistema de valorização económica da gastronomia num contexto global.

O seminário foi organizado com três tipos diferentes de sessões e debates. Por um lado, académicos e policy makers apresentaram ideias e conceitos fundamentais para a análise das questões da globalização e do desenvolvimento regional no contexto da gastronomia. Por outro lado, alguns dos agentes e atores relevantes no sector da gastronomia apresentaram casos de estudo centrados nas condições que permitem o sucesso na globalização de identidades locais (como a internacionalização dos produtos do território) ou no aproveitamento local de recursos globais (como o conhecimento). Em paralelo, foi desenvolvida uma primeira análise do que poderiam ser um conjunto de indicadores de resultados aplicáveis a uma política de desenvolvimento regional neste domínio.

O seminário começou sexta-feira durante a tarde e concluiu-se domingo depois do almoço.

Para aceder ao relato do seminário, clique aqui.

Para aceder ao resumo do seminário, clique aqui.