A 29 de outubro de 2016 a Douro Generation e a Rede de Aldeias Vinhateiras do Douro proporcionaram a realização do seminário “Diálogos de culturas nas músicas antigas luso-brasileiras”, proferida pelo professor Rui Vieira Nery na Casa de Mateus, no âmbito da iniciativa “Caminhos de Mateus”.

Esta iniciativa foi cofinanciada pelo Norte 2020 no âmbito do projeto “Douro em Movimento, Aldeias com Vida”.

Biografia

Rui Vieira Nery nasceu em Lisboa em 1957 e iniciou os seus estudos musicais na Academia de Música de Santa Cecília, prosseguindo-os no Conservatório Nacional de Lisboa. Licenciado em História pela Faculdade de Letras de Lisboa (1980), doutorou-se em Musicologia pela Universidade do Texas em Ausitn (1990), que frequentou como Fulbright Scholar e bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Professor Associado da Universidade Universidade Nova de Lisboa, orientou um vasto número de mestrados e doutoramentos em universidades portuguesas, espanholas e francesas. É investigador do Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos de Música e Dança e do Centro de Estudos de Teatro. Na Fundação Calouste Gulbenkian foi Diretor-Adjunto do Serviço de Música (1992-2008) e Diretor do Programa Gulbenkian Educação para a Cultura (2008-2012), e é presentemente Diretor do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas (desde 2012).

Caminhos de Mateus é um ciclo de programação musical descentralizado que propõe, em Mateus e num conjunto de aldeias vinhateiras, Provesende, Salzedas e Trevões, um programa de concertos e conferências, cruzando o exercício da excelência musical com a descoberta de repertórios e fomentando a partilha do gesto de fruição musical por parte de públicos com experiências muito diversas.

A dar cor ao programa, está a criação musical portuguesa e luso-brasileira entre o séc. XVI e o início do XIX e a sua inserção num amplo contexto internacional. Cruzando as tradições europeia e sul americana, evocaremos a arte da fuga a partir de Bach numa adega com um dispositivo muito especial de inclusão dos públicos, estenderemos a escuta pela obra de compositores portugueses como Carlos Seixas ou residentes em Portugal, como Davide Perez, e confluiremos depois na abordagem da produção das Missões Jesuíticas da América do Sul e na obra de André da Silva Gomes, compositor português radicado em São Paulo, num programa cruzado entre o Quarteto Atégina e o Americantiga Ensemble.

O programa desenvolve-se em dois momentos, correspondendo o primeiro a uma espécie de ciclo natural da região, num momento de regresso à calma após o período intenso das vindimas, e o segundo ao ciclo contemporâneo dos fluxos turísticos. Cada um dos concertos é antecedido por uma conversa informal, momento importante na partilha de conhecimento e na sensibilização de públicos, que se propaga a um breve mas intenso programa de conferências, com a presença do musicólogo Rui Vieira Nery, do filósofo Lúcio Álvaro Marques, e de Ricardo Bernardes, diretor artístico de todo o ciclo.

Construído em parceria com a UTAD, o CRMVR, com a Douro Generation e com a Rede de Aldeias Vinhateiras, Caminhos de Mateus invoca as memórias e os caminhos culturais e artísticos que partem da história da Casa de Mateus ou aí regressam e aprofunda a aposta da Fundação na difusão e preservação do repertório da música antiga portuguesa, bem como no reforço do seu papel enquanto lugar de conhecimento, pensamento e de ação cultural continuada, numa região com um potencial de crescimento notável, que reside em boa parte no investimento em formas culturais e diferenciadoras.

Neste programa da Fundação da Casa de Mateus, que integra o projeto Douro em Movimento – Aldeias com Vida, em parceria com a Associação Douro Generation e Rede de Aldeias Vinhateiras, é proposto um conjunto de concertos de música antiga e barroca de compositores de Portugal e de países da América Latina.

Saiba mais sobre o programa Caminhos de Mateus aqui.